Veja quais são os 20 frigoríficos que foram proibidos de exportar frango para a UE

A União Europeia anunciou nesta quinta-feira (19) a proibição de 20 frigoríficos brasileiros de exportar frangopara o bloco econômico. O embargo entrará em vigor 15 dias após a decisão ser oficialmente publicada.

A lista não foi divulgada pela UE. A relação dos frigoríficos afetados, ao qual o G1 teve acesso, mostra que o Estado mais prejudicado pelo embargo foi o Paraná, com 8 unidades proibidas de exportar. A unidade da BRF em Toledo deu férias coletivas a 2 mil funcionárioslogo após sair a decisão da UE.

Em seguida está Santa Catarina, com 3 unidades. Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Goiás tiveram cada um 2 unidades afetadas. E São Paulo também teve um frigorífico vetado pela UE.

Veja abaixo a lista das unidades proibidas de exportar para a UE:

BRF S.A.

A empresa teve 12 frigoríficos afetados. São eles:

  1. Ponta Grossa (Paraná)
  2. Concórdia (Santa Catarina)
  3. Dourados (Mato Grosso do Sul)
  4. Serafina Correa (Rio Grande do Sul)
  5. Chapecó (Santa Catarina)
  6. Capinzal (Santa Catarina)
  7. Rio Verde (Goiás)
  8. Marau (Rio Grande do Sul)
  9. Toledo (Paraná)
  10. Várzea Grande (Mato Grosso)
  11. Francisco Beltrão (Paraná) – unidade da SHB, subsidiária da BRF.
  12. Nova Matum (Mato Grosso) – unidade da SHB.

Copacol – Cooperativa Agroindustrial Consolata

Unidade de Cafelândia (Paraná)

Copagril – Cooperativa Agroindustrial

Marechal Cândido Rondon (Paraná)

Zanchetta Alimentos Ltda

Boituva (São Paulo)

Sao Salvador Alimentos S/A

Itaberaí (Goiás)

Bello Alimentos Ltda

Itaquirai (Mato Grosso do Sul)

Coopavel – Cooperativa Agroindustrial

Cascavel (Paraná)

Avenorte Avicola Cianorte Ltda

Cianorte (Paraná)

LAR Cooperativa Agroindustrial

Matelândia (Paraná)

O que dizem as empresas

BRF

O G1 procurou a BRF e aguarda posicionamento.

Zanchetta

Segundo a direção do frigorífico Zanchetta Alimentos, ele deixou de exportar para a União Europeia desde maio do ano passado após a operação Carne Fraca, em 2017. Questionada sobre corte de funcionários ou férias coletivas, a direção afirmou que não estão previstos cortes no quadro de funcionários. A empresa disse que uma nota oficial será encaminhada quando o frigorífico for notificado oficialmente sobre a decisão da UE.

Fonte: G1 Globo Economia.