Sindicatos mobilizam sociedade contra reformas da Previdência e Trabalhista

Presidente da Fetems, Roberto Botorelli - Foto Maracaju Hoje

Representantes de cinco sindicatos maracajuenses promoveram na noite desta terça-feira, 25, uma grande mobilização na Câmara Municipal contra as reformas da Previdência Social e Trabalhista que vêm sendo realizadas pelo governo federal. As reforma na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) devem ser votados entre esta quarta e quinta-feira.

 

Galerias ficaram tomadas por populares que queriam discutir as reformas _ Foto: Maracaju Hoje

Na Câmara, centenas de maracajuenses se aglomeraram para debater com dirigentes sindicais mecanismos de pressão para forçar parlamentares comprometidos com o governo a reverem seus votos. A mobilização, em nível municipal, foi organizada pelo Simtrema – Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação de Maracaju – e contou, ainda, com a efetiva participação dos dirigentes do SISPMMA – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maracaju -, Aduems – Sindicato dos Docentes da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul -; Sintracom – Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Maracaju – e Sindicato dos Bancários.

Professora Ludemar, do Simtrema – Foto: Maracaju Hoje

Além dos dirigentes dos sindicatos organizadores da mobilização e da população em geral, participou dos debates o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul, Roberto Magno Botarelli. O presidente da Caixa de Assistência dos Servidores Públicos de Mato Grosso do Sul – Cassems -, Ricardo Ayache, havia confirmado presença, mas não pode comparecer.

O movimento constou de uma palestra proferida pelo presidente da Fetems e, na sequência, debates entre alunos, professores, comerciários, bancários, servidores públicos municipais e a população presente. Na pauta das discussões a paralisação nacional programada para a próxima sexta-feira, 28 de abril, por meio da qual os sindicalistas esperam sensibilizar deputados federais a reverem seus votos principalmente na questão da reforma da Previdência.

Antes de proferir a palestra, o presidente da Fetems afirmou à Rádio Cidade Maracaju que a sociedade precisa estar atenta contra as mudanças que estão sendo colocadas de cima para baixo e que atropelam os mais sagrados direitos dos trabalhadores brasileiros. Para Botarelli, a arma mais eficaz no momento é a mobilização da próxima sexta-feira. “Os deputados sabem que eles votam hoje a reforma e precisarão do voto popular na eleição do ano que vem. As mobilizações já realizadas forçaram o governo a rever pontos da reforma previdenciária, como a diminuição de 49 para 40 anos trabalhados para a aposentadoria integral. Podemos avançar mais se a mobilização de sexta-feira mostrar que o povo está ciente do crime que está se cometendo contra os trabalhadores” avaliou Roberto Botarelli.

Professor Alex, da Uems – Foto: Maracaju Hoje

Representando o Sindicato dos Docentes da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, o gerente da unidade da UEMS em Maracaju, professor Alex Sandro Richter von Mühlen, lembrou que a instituição universitária não pode se posicionar em relação às reformas. Porém, a Aduems, enquanto entidade representativa da classe trabalhadora, tem posicionamento firmado contra a forma com que as reformas vêm sendo conduzidas pelo governo.

O representante do Sindicato dos Bancários, Valdeci Antônio Zaniboni, foi enfático em afirmar que pela forma com que age o governo federal, gradativamente serão retirados direitos históricos dos trabalhadores. “Vai chegar um momento que o trabalhador vai estar na catacumba e não chegou o momento de se aposentar” afirmou em relação à reforma da Previdência.

Hermes, do SISPMMA – Foto: Maracaju Hoje

Os presidentes do Simtrema, Ludemar Sólis Azambuja, e do SISPMMA, Hermes Barbosa, também se posicionaram radicalmente contrários à forma de condução governista para a votação das reformas. Hermes chegou a dizer que nem mesmo no período da ditadura militar se praticou tamanha atrocidade contra os direitos dos trabalhadores.

Hermes e Ludemar Azambuja estarão na sexta-feira, às 07h30 da manhã, no Programa “Primeira Hora”, da Rádio Cidade Maracaju, para falarem sobre a posição dos sindicatos e para conclamarem a população a participar efetivamente da greve geral de sexta-feira, 28 de abril.

 

Jota Menon e Dafne da Veiga Ribas