Radiodifusores de MS e MT se reúnem em Campo Grande e assinam termo de migração para FM

Rádio Cidade já está autorizada a operar no sistema de Frequência Modulada na faixa de 104,3 megahertz

 

Empresários da radiodifusão de Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso se reuniram na tarde da última segunda-feira, 24, em Campo Grande, para assinarem o termo de migração de Ondas Médias (AM) para Frequência Modulada (FM). A solenidade contou com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações Gilberto Kassab e representou o último passo para que 51 emissoras de Mato Grosso do Sul e 52 rádios de Mato Grosso passem a operar pelo sistema de FM de radiodifusão.

Diretora da Rádio Cidade no assinando o termo de migração

A empresária Mirian Sirlei da Veiga assinou o termo de migração da Rádio Cidade Maracaju que completa 39 anos de funcionamento no próximo dia 21 de agosto.

Com o ato, a rádio já está autorizada a começar a transmitir em Frequência Modulada imediatamente depois de erguida a torre de transmissão e a casa das máquinas que deverão estar prontos num prazo de 60 a 90 dias e funcionarão em terreno localizado no Bairro Alto Maracaju.

Autorizada a instalar equipamentos com potência de até 50.000 watts, inicialmente, a Rádio Cidade vai operar com potência de 10.000 watts e poderá ser sintonizada no dial dos aparelhos radiofônicos na frequência de 104,3 mHz. A partir da inauguração do novo sistema operacional, a RCM também poderá ser ouvida em celulares, tablets, smartphones, entre outros aparelhos.

Dafine da Veiga Ribas entregando para o Ministro Kassab a ultima edição do Jornal Maracaju Hoje.

A migração representará a melhoria de qualidade do seu sinal e da capacidade da prestação do serviço de radiodifusão aos seu público alvo, sem que emissoras, como a RCM, percam seus vínculos históricos com os ouvintes.

Durante a cerimônia de assinatura dos termos de migração, o ministro Gilberto Kassab destacou o momento como de grande relevância para a consolidação da radiofonia no Brasil. Para ele, “a migração não é uma ação apenas tecnológica, pois traz junto com ela um resultado no campo social muito expressivo, além de trazer aos seus proprietários confiança para investir. É uma oportunidade de consolidar os empregos e garantir mais outros”, declarou.

O secretário de estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jayme Verruck, representou o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no ato festivo, e destacou as ações do Governo do Estado no sentido de facilitar a liberação das licenças ambientais para a instalação dos novos sistemas operacionais e ainda as gestões efetuadas junto ao Banco do Brasil para que os radioempreendedores pudessem adquirir os equipamentos com recursos do Fundo Constitucional do Centro Oeste – FCO.

Verruck também lembrou a decisão governamental de isentar os radiodifusores da alíquota de 10% relativos ao ICMS cobrados na importação dos equipamentos radiofônicos, em sua maioria produzidos em outros estados brasileiros.

O presidente da Associação das Empresas de Radiodifusão de Mato Grosso do Sul – AERMS -, empresário Rosário Congro Neto, se emocionou ao falar da luta que perdurou por quatro anos e que naquele ato se coroava de pleno êxito. “É um momento histórico, porque propicia melhoria na qualidade dos serviços que vamos prestar aos nossos ouvintes e nos proporciona, enquanto empreendedores, a possibilidade de abrirmos novas vagas no mercado de trabalho”.

Para Rosário, a migração das 51 rádios AM de Mato Grosso do Sul para o sistema operacional de FM vai representar a geração imediata de pelo menos 600 novos postos de trabalho no mundo radiofônico. “E com o advento da migração, abrem-se novas perspectivas de crescimento para os radiodifusores que, com uma maior carteira de clientes, terão melhores condições de investir na modernização de suas emissoras de rádio” afirmou.

O prefeito Marquinhos Trad (PSD), que militou 12 anos como radialista na Rádio Difusora AM de Campo Grande, disse que a Capital do Estado teve o privilégio de ser o palco do grande mutirão da migração que trará novas oportunidades no mercado de trabalho, além de atender uma necessidade tecnológica já que as rádios AM vinham sofrendo ao longo dos anos pela perda de qualidade no sinal o que levava muitas emissoras à queda de faturamento.

Também participaram da solenidade de assinatura dos termos de migração da AM para FM, além de representantes das rádios de MS e de MT, o representante da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão – Abert -, André Cintra, a secretária nacional de Radiodifusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Vanda Nogueira, o deputado estadual Lídio Lopes (PEN), representante da Assembleia Legislativa, e a vereadora Cida Enfermeira (Podemos), representando a Câmara Municipal de Campo Grande.