Principal projeto de Lenilso é continuar o trabalho de Maurílio

Foto: Maracaju Hoje

“Nosso desejo de ser prefeito de Maracaju só tem um propósito: trabalhar pelas pessoas da nossa cidade” afirmou o ex-secretário municipal de Finanças e Administração, Lenilso Carvalho, pré-candidato do MDB à Prefeitura de Maracaju ao ser questionado sobre o que o levava a querer ser prefeito da cidade.

Ele disse que tem uma vasta experiência como servidor público, tendo ingressado na Prefeitura em 1º de setembro de 1993, sendo que nos últimos três anos e seis meses foi secretário municipal de Fazenda e de Administração, cargos dos quais se afastou no último dia 1º em respeito ao calendário eleitoral.

Lenilso enfatizou que o seu principal projeto é continuar o trabalho que vem sendo feito pelo atual prefeito, Maurílio Azambuja (MDB), nos últimos oito anos, principalmente na área da saúde.

Ele afirma que, como secretário, teve participação em praticamente todas as áreas administrativas maracajuenses, como saúde, educação, obras e assistência social, o que lhe dá um vasta conhecimento na parte administrativa e financeira. “E diante dessa experiência foi surgindo nosso nome como pré-candidato com apoio do Dr. Maurílio e da equipe que hoje administra Maracaju há oito anos”.

Lenilso diz que a partir da cogitação de seu nome como pré-candidato passou a ouvir os maracajuenses para a construção deum projeto político-administrativo para a cidade que consiste, entre outras, em dar continuidade na atual política de saúde, e ainda melhorar.

Ele disse que o prefeito Maurílio tem um compromisso firmado com ele no sentido de que continuar atuando na Secretaria de Saúde, caso ele saia vencedor na eleição. “O Dr. Maurílio vai ser a pessoa responsável por manter e ainda melhorar a nossa saúde” anunciou.

O pré-candidato emedebista é do pensamento de que o custeio da saúde deve aumentar a partir de 2021. Frisando que o denominado “hospital municipal” não pertence ao município, Lenilso Carvalho lembrou que durante sua gestão como secretário de Finanças foram repassados mensalmente cerca de 900 mil reais à Associação Beneficente que mantém o hospital. “Com a inauguração do pronto socorro que deve ocorrer nos próximos meses, o custo do hospital será ainda maior e o próximo prefeito tem de ter compromisso com a saúde para que a qualidade dos serviços não venha a cair” diz.

Leia a entrevista completa na edição online do nosso jornal impresso >> https://www.jornalmaracajuhoje.com.br/jornal-maracaju-hoje-edicao-no-974/?fbclid=IwAR2rEf-oewNgaKKApFr8ueX8GDxoONR3PDP6141q7SHZCvpvgoF5QbCEBhY

Jota Menon – Maracaju Hoje