Páscoa: Uma festa religiosa e popular, celebrando a vida.

A páscoa é uma festa com diversos significados, entre o judaísmo, o cristianismo e as tradições pagãs e populares.

A páscoa é uma das festas mais celebradas no mundo, seja no meio religioso ou popular. Os diversos personagens que compõe o imaginário popilar e a simbologia religiosa, no entanto, tem pelo menos um ponto em comum – a celebração à vida.

A PASCOA JUDAICA

Segundo a tradição judaica, em tempos de opressão, o governo egípcio ordenou certa vez que toda a população de bebês hebraicos fosse exterminada. Foi nessa época que o jovem Moisés escapou desse terrível decreto ao ser colocado em um cesto que vagueou pelas águas do rio Nilo.

“Segundo o judaísmo e conforme o Antigo Testamento, antes da décima praga que Deus mandara sobre o Egito, Deus pediu a Moisés que matasse um cordeiro e passasse o seu sangue nas portas das casas dos Hebreus, livrando-os da morte.

Encontrado pela filha do faraó, o jovem acabou sendo criado como um dos súditos da família real. Ao atingir a idade adulta, Deus teria surgido em um arbusto ordenando que ele promovesse a libertação definitiva dos judeus do Egito.

Negando-se a atender ao pedido divino, o faraó foi alertado que sua intransigência seria severamente castigada com o envio de dez pragas que assolariam a população egípcia. Após sofrer com tamanha maldição, o governo egípcio permitiu que os hebreus saíssem daquela terra e voltassem até Canaã.

Ao conseguirem tamanha proeza, os judeus determinaram aquela data como uma das mais importantes de seu calendário religioso – A pascoa:

Conhecida como Pessach, a Páscoa Judaica celebra a libertação do Egito e reitera o laço para com o Deus que teria possibilitado a execução daquela memorável vitória. Ao longo do tempo, observamos que essa celebração foi ganhando contornos mais estáveis e se aproximando dos eventos e rituais que hoje marcam tal celebração.

Na noite de celebração da páscoa, as casas devem estar limpas e arrumadas, e todo um conjunto específico de talheres é utilizado na celebração. Além disso, qualquer tipo de alimento fermentado tem o seu consumo proibido. No dia antes do pessach, a família deve jejuar em homenagem aos primogênitos que não foram atingidos pela última das maldiçoes egípcias. Daí em diante, várias refeições e narrativas são intercaladas como forma de se reforçar o significado da páscoa para os judeus.

A PÁSCOA CRISTÃ

“O domingo de Páscoa marca o ápice da Paixão de Cristo e é precedido pela Quaresma, um período de quarenta dias de jejum, orações e penitências”. Imagem internet.

Muitos, conhecem a história da Páscoa como uma celebração a ressureição de Cristo após sua morte e crucificação e também pelos diversos costumes que se criaram nesse período pascal, mas o que muitos não sabem é que esse período começa no domingo da ressureição e termina no domingo de Pentecostes (com duração de 50 dias) e nos prepara para receber o Espírito Santo prometido.

Para os cristãos, a Páscoa simboliza a ressureição de Cristo três dias após a sua morte na cruz e por isso é considerada um fundamento da fé cristã.

Devemos lembrar também que durante toda a Semana Santa (semana que antecede a Páscoa) ocorre a celebração da Paixão de Cristo, sua morte e ressureição e a primeira delas já acontece no Domingo de Ramos.

Ela relembra a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém e tem esse nome pois o povo cortou ramos de árvores para cobrir o chão por onde Ele passava. O domingo de Páscoa celebra a festa da vida. É nele onde são referenciadas a última Ceia, a prisão, julgamento, condenação, crucificação e ressureição de Cristo e é nele que somos convidados à nossa ressureição.

Ou seja, a Páscoa é um período para agradecermos a Jesus pelo sacrificio e também para pensar em todos os nossos atos e renovar os votos perante a Deus para sermos cada vez melhores e dignos desse ato tão nobre para nos libertar e nos dar a vida

O COELINHO DA PÁSCOA

 O Coelho da Páscoa é um dos símbolos pascais, utilizado por representar a fertilidade, o nascimento e a esperança da vida.

O coelho é um animal que se reproduz em grandes ninhadas. A sua relação com a Páscoa foi definida historicamente a partir da representação que este animal possuía para diversos povos antigos, como símbolo da esperança na renovação da vida.

“A tradição do Coelhinho da Páscoa foi trazida para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e o início do século XVIII”.

Neste contexto, para os cristãos, o coelho seria uma das representações da ressurreição de Jesus Cristo.

Alguns povos antigos relacionavam este animal com a chegada do fim do inverno e começo da primavera, como um simbolismo do “renascimento da vida”. Os coelhos eram os primeiros animais a abandonarem as suas tocas quando a primavera começava.

Em inglês, a expressão easter bunny significa “coelhinho da Páscoa”.

Os coelhos só passaram a representar um símbolo da Páscoa no Brasil no final do século XVII, trazidos pelos imigrantes alemães.

De acordo com a mitologia germânica, o coelho era um dos símbolos da deusa da fertilidade Ostara. A partir desta mesma lenda mítica, surgiu entre os alemães a tradição de entregar ovos (de galinha) pintados de várias cores para as crianças.

O culto a Ostara costumava ser feito durante a primavera, por este motivo os cristãos, para evitar as celebrações pagãs, associaram o coelho e a tradição da “coleta dos ovos” à Páscoa Cristã.

Com o passar do tempo, os ovos de chocolate entraram para as tradições das festividades da Páscoa.

OVOS DE CHOCOLATE

O Ovo da Páscoa é um símbolo pascal, caracterizado por ser feito de chocolate e, normalmente, recheado com surpresas.

Atualmente, costuma-se presentear amigos e familiares (principalmente as crianças) com ovos de chocolate durante a Páscoa.

Do ponto de vista religioso, o ovo é considerado símbolo do nascimento e da vida.

“A tradição de entregar ovos decorados na Páscoa existe desde antes do cristianismo. Para as civilizações antigas, o ovo era um símbolo de força, vitalidade e fertilidade”.

Presentear as pessoas com ovos é um costume antigo, comum entre os povos que habitavam a região do Mediterrâneo, do Leste Europeu e do Oriente.

Durante as festividades realizadas com a chegada da Primavera, depois do Inverno, os ovos (de galinha) eram cozidos e pintados com desenhos que lembravam plantações e outras figuras relacionadas à colheita.

esperança de fertilidade do solo e de abundantes colheitas eram representadas com a troca dos ovos coloridos.

A arte de pintar ovos e dá-los como presente também passou a ser um ato comum nas festividades cristãs, onde se desenhavam imagens de Jesus e de Maria, principalmente.

Com o passar do tempo, o ovo de chocolate entrou para as tradições do período das festas da Semana Santa.

Alguns autores acreditam que a tradição do ovo de chocolate surgiu depois do século XVIII, sendo uma invenção de confeiteiros franceses.

Outra teoria afirma que os ovos de Páscoa ficaram mais populares com a revolução da indústria do chocolate, que aconteceu na Inglaterra, em meados do século XIX.

Seja como for, a páscoa alimenta a fé, a fantasia e a economia, pois neste período os templos religiosos estão sempre lotados de fiéis. As crianças se deliciam com os saborosos ovos de chocolate; A indústria, o comércio e os veículos de mídia, faturam aos bilhões com a produção, venda e publicidade desta democrática festa.

Por Narcizo Corpes – Com informações de Wikpedia e Simbologia Religiosa.