Parceira do Rotary, Casa de Carnes Beef Nobre produz toda a linguiça para o maior evento gastronômico de MS

“É uma grande satisfação estarmos novamente nessa parceria com o Rotary Club”. Assim o empresário Alex Tavares, sócio-proprietário da Casa de Carnes Beef Nobre, definiu o fato de a sua empresa estar, novamente, à frente da produção de toda a linguiça de Maracaju que será consumida no decorrer dos três dias de duração da 23ª Festa da Linguiça de Maracaju, considerado o maior evento da gastronomia sul-mato-grossense.

Alex lembrou que ele e sua mulher e sócia, Vera Tânia Silva Tavares, já foram parceiros do Rotary Club no período em que eram proprietários da Casa de Carnes Novilha de Ouro. Foram cinco anos atendendo a Festa da Linguiça e foi exatamente nesse período que o evento se consolidou ganhando proporções gigantescas, ultrapassando, inclusive, as fronteiras nacionais, haja vista que, além de visitantes de todo o país, a festa passou a receber turistas de países vizinhos, como o Paraguai, a Argentina e a Bolívia.

“Tivemos essa parceria no tempo da Novilha de Ouro. Depois de cinco anos atendendo a Festa da Linguiça, vendi o estabelecimento que continuou, com o novo proprietário, a atender a Festa. Agora, para nossa satisfação, mantivemos uma conversa com a direção do Rotary e cá estamos, novamente, atendendo esse evento de grande magnitude e que tem um significado muito forte para a economia e para a cultura municipal” frisou o empresário.

Para Alex, retornar à produção da iguaria que se tornou símbolo de Maracaju é uma satisfação muito grande. “É uma festa magnífica, que traz para cá gente de todos os municípios do nosso Estado e de outros pontos do Brasil como o Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, enfim, de todo o país e até de países vizinhos. Tem um significado muito grande para nós da Família Beef Nobre” disse.

O empresário diz que é muito grande a responsabilidade de produzir entre 15 mil e 20 mil quilos de linguiça para atender à demanda da festa. “Temos de caprichar na produção. Caprichar como a gente sempre capricha no nosso dia-a-dia. Em todos os dias da semana a nossa marca é a qualidade” afirma. E acrescenta: “É o que eu sempre digo aos meus colaboradores: com produtos de qualidade todos crescemos e ajudamos a fortalecer ainda mais essa iguaria que caiu no gosto do povo brasileiro”.

A preocupação em manter na festa o mesmo padrão de qualidade da linguiça que é vendida diariamente na Casa de Carnes é tamanha que os empresários Alex e Vera Tânia descartaram a contratação de mão de obra temporária. “Seria um risco, porque teríamos trabalhadores não qualificados na produção do produto. Optamos por conversar com nossa veterinária, com os veterinários da Prefeitura e estabelecer turnos noturnos, pagando horas extras, para que nossos profissionais altamente qualificados produzissem a linguiça para a festa”.

E ele explica o porquê dessa preocupação: “Há todo um ritual para a produção da linguiça. O corte manual. A não utilização de produtos químicos. Tudo produzido com a mesma qualidade daquela linguiça artesanal produzida pelos desbravadores de Maracaju” frisou. “Nossos funcionários são especializados na produção e quem vier a Maracaju, com certeza, vai comer produto fresquinho” diz para lembrar em seguida que, além de atender a Festa que tem início no sábado, 29, e prossegue até o feriado de 1º de maio, segunda-feira, a Casa de Carnes Beef Nobre atenderá os visitantes com um stand no Parque de Exposições e na própria loja à Rua Antônio de Souza Marcondes, esquina com José Pereira da Rosa, no Bairro BNH.

Jota Menon

Plínio Gustavo Rodrigues