Metade dos ‘garotos-propaganda’ do programa do PMDB na TV é investigada na Justiça

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) conversa com o presidente Michel Temer - Jorge William / Agência O Globo / 12-9-2016

Temer foi defendido por aliados como Romero Jucá e Eunício Oliveira

 

ANDRÉ DE SOUZA

O Globo – 29/11/2017 – 16h53

BRASÍLIA – No programa partidário exibido na TV na noite de terça-feira, o PMDB defendeu o presidente Michel Temer e disse que as denúncias contra ele fazem parte de uma trama que, por tabela, atrapalhou a economia e a estabilidade do Brasil. Ao longo de dez minutos, seis políticos se apresentaram como garotos-propaganda do programa. Três deles, incluindo o próprio Temer, são alvos de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF).

Temer têm três inquéritos surgidos a partir da delação de executivos da JBS, sendo que dois estão paralisados porque a Câmara não deu autorização para o prosseguimento da denúncia. O outro, que investiga irregularidades no decreto presidencial dos portos, está numa fase menos avançada e continua tramitando no STF.

— Ter a honra atacada dói. Dói bastante. Mas não se compara com a dor do desemprego, da sobrevivência, da injustiça social. A injustiça social dói em tudo. Dói na saúde, na educação, na falta de oportunidades. Dói agora, e dói depois. As mudanças que estamos fazendo têm um único objetivo: diminuir a desigualdade para acabar com essa dor. E vamos seguir em frente, com muita convicção, porque agora é avançar — disse Temer durante o programa.

O primeiro político do PMDB a aparecer no programa também é um dos mais investigados no STF. O GLOBO localizou 15 inquéritos na Corte em que o nome do senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, aparece. Boa parte tem origem na Operação Lava-Jato. Somente a delação da Odebrecht levou à abertura de cinco inquéritos. O senador vem negando que tenha cometido irregularidades.

— Não dá para esquecer que foi nesse cenário trágico (deixado pela ex-presidente Dilma Rousseff) que o presidente Michel Temer assumiu o desafio de recuperar a economia, resgatar a confiança, trazer investimentos e promover a volta dos empregos. E o PT, ao invés de assumir os seus erros, pedir desculpas ao povo e ajudar o Brasil a sair da crise, crise criada por eles, optou por colocar a culpa e todos os seus erros no novo governo do presidente Michel Temer. Chega a ser ofensa à nossa inteligência. É pena, é triste, mas a verdade é que o PT deixou de ser um representante importante para a política e a democracia do país para se transformar em um grupo cujo único ideal era o de se manter no poder. Esse petismo o país não quer mais — disse Jucá durante o programa do PMDB.

O terceiro garoto propaganda do partido investigado no STF é o presidente do Senado Eunício Oliveira (PMDB-CE). Há dois inquéritos contra ele, sendo que um com base na delação da Odebrecht. Ele também vem negando irregularidades.

— Graças ao diálogo, à negociação dos temas e às respostas do Senado, aprovamos medidas para recuperar a economia e trazer de volta os investimentos e os empregos com carteira assinada. Empregos que nos próximos meses vão aumentar ainda mais. Este é um sinal claro de que o país está se recuperando e que a confiança voltou e que o Brasil voltou — afirmou Eunício.

Além de Temer, Jucá e Eunício, três outras integrantes do PMDB apareceram no programa partidário. A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, e a secretária nacional de Políticas para Mulheres, Fátima Pelaes não são investigadas no STF.