Maurílio afirma que entregará prefeitura “redondinha”

Foto: Assessoria

“Fico muito feliz por completar esses 12 anos como prefeito de Maracaju. Sou cidadão maracajuense. Só não nasci aqui. Nasci em Campo Grande, mas, cresci aqui, passei minha infância e estudei o primário aqui. Mudei para Campo Grande, estudei, fiz faculdade e voltei a Maracaju onde estou há mais de 30 anos trabalhando na profissão que abracei, a Medicina”.

Com a afirmação acima, o prefeito Maurílio Ferreira Azambuja (MDB) abriu um bate-papo ao qual foi chamado para falar sobre os seus 12 anos no comando do Poder Executivo de Maracaju cidade que, nesta quinta-feira, 11 de junho, comemora 96 anos de sua fundação. Maurílio disse que, em 1º de janeiro de 2021, seu sucessor receberá a Prefeitura com as contas equilibradas, sem dívidas que possam comprometer o processo administrativo. “Meu sucessor vai receber a Prefeitura redondinha” disse já quase ao final da entrevista.

EXPERIÊNCIA NOVA

O prefeito iniciou falando sobre a sua nova experiência de vida que foi se tornar prefeito na eleição de 2004, assumindo o comando da cidade em 1º de janeiro de 2005. “Foi uma experiência nova, diferente. Eu era um médico, acostumado a atender as pessoas e fui logo incumbido de substituir o hoje governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), que tinha feito uma grande administração e era muito querido na cidade” relata.
Ele garante que aquele seu primeiro mandato como prefeito do município foi uma experiência de vida importante, apesar de ser muito diferente mexer com as pessoas como médico e mexer com as pessoas como político. “Foi uma experiência nova com situações que eu nunca imaginara antes” afirma.

Maurílio conta que procurou tocar a administração municipal da melhor maneira possível, mas, ao final de quatro anos, quando tentou a reeleição, acabou sendo derrotado nas urnas. Apesar disso, afirma que a derrota eleitoral foi outra experiência importante na sua trajetória de homem público.

“Aquele mandato e a derrota na eleição representaram um grande aprendizado para mim. Pode parecer um paradoxo, mas posso garantir que aquela derrota nas urnas me faz um bem danado; um bem muito grande, pois, a partir dali eu tive um outro olhar para a política, para o setor administrativo público” disse. Maurílio relata que, após não se reeleger, fez uma reflexão e aprendeu com os erros detectados num verdadeiro processo de autocrítica.

Ele cita que no quadriênio 2005 a 2008 aprendeu a ver as pessoas sob dois olhares distintos. “A pessoa quando não está bem de saúde e te procura como médico ela o faz porque está necessitada. Na política é diferente. A pessoa quer para ela. Quer levar alguma vantagem. É totalmente diferente. Logo, esse primeiro mandato foi um aprendizado e posso garantir que a derrota, embora sempre dolorosa, acaba nos fazendo bem” diz para sintetizar a explicação no fato de que a derrota força o agente público a buscar seus erros e corrigi-los, enquanto que a vitória só se comemora e daí se prossegue cometendo os mesmos erros já praticados.

O RETORNO

Maurílio fez questão de registrar que, ao retomar suas atividades profissionais médicas, em 2009, entregou a Prefeitura redondinha ao grupo político que o sucedeu e reassumiu a labuta diária no consultório não mais pensando retornar à vida política. Porém, veio 2012 e, por volta do meio do ano, ele foi chamado a voltar à disputa como candidato a prefeito pelo MDB.

“Aceitamos o desafio e fomos para uma eleição extremamente disputada e nós, com nossos colegas médicos, com pessoas que aderiram ao nosso projeto, saímos vencedores naquele memorável embate eleitoral concorrendo com uma chapa pura” registra.

Empossado no cargo em 1º de janeiro de 2013, veio a constatação da dura realidade: a Prefeitura estava endividada, com folhas de pagamento e o 13º dos servidores em atraso, muitas dívidas com os fornecedores, fatos que, contudo, não assustaram a equipe que retomava o comando do Executivo Municipal maracajuense. “Como ganhamos com chapa pura, montamos uma equipe jovem que não tinha compromisso com grupos políticos, mas, sim, tinha compromisso com a responsabilidade de resgatar o nome de Maracaju”.

Hoje, entrando praticamente no último semestre de seu 12º ano como prefeito de Maracaju, Maurílio diz que se sente feliz por continuar olhando a população com o mesmo carinho com que a olhava em seu primeiro dia de mandato lá no longínquo ano de 2005. “Até hoje somos uma equipe que não se considera política, mas que faz a política do trabalho voltado para o cidadão” descreve.

PARCERIA DE SUCESSO

No processo de resgatar a moral do município e a autoestima dos munícipes, Maurílio diz que o estabelecimento de parcerias com a sociedade teve papel primordial.

Ele recorda que o Hospital Municipal, à época, estava em enorme dificuldade e a primeira parceria de grande resultado foi estabelecida com a classe dos produtores rurais que investiu praticamente R$ 1 milhão no reaparelhamento da Associação Beneficente de Maracaju, entidade mantenedora da casa hospitalar que atende a população maracajuense e o encaminhou para que se tornasse o hospital referência que é hoje.

Ele cita que a partir da sua segunda administração a tônica central foram as parcerias, o que acontece até hoje. “Fomos trabalhando e superando as dificuldades através do estabelecimento de prioridades”.

INVESTIMENTOS

O prefeito Maurílio destacou os investimentos efetuados na área de educação, onde, ao assumir em 2013, havia cerca de 2.900 alunos matriculados em escolas da Rede Municipal de Ensino (Reme). Hoje, são mais de 6.000 alunos matriculados nos estabelecimentos da Reme. Ele citou a municipalização de todo o serviço de transporte escolar com a aquisição de 60 ônibus escolares como um dos principais avanços que se registrou no setor educacional.

O prefeito também deu ênfase aos investimentos no setor de saúde pública, hoje considerado modelo em termos de interior de Mato Grosso do Sul. “Temos atualmente na rede um total de 41 médicos, dos quais 22 são especializados em áreas em que não era disponibilizado atendimento até então” conta.

Projetando a população atual de Maracaju em torno de 55.000 habitantes, Maurílio se diz muito tranquilo, com a consciência de que tem procurado fazer o melhor para a cidade e para seu povo. Ele reconhece que algumas peças da administração mudaram, mas, “o objetivo, a determinação e a responsabilidade nunca mudaram. Foi sempre a mesma. Voltada ao trabalho e com os olhos voltados sempre aos seres humanos”.

Leia a entrevista completa na edição online do nosso jornal impresso >> https://www.jornalmaracajuhoje.com.br/jornal-maracaju-hoje-edicao-no-974/?fbclid=IwAR2rEf-oewNgaKKApFr8ueX8GDxoONR3PDP6141q7SHZCvpvgoF5QbCEBhY

Jota Menon – Maracaju Hoje