Gugu: exemplo triste do preço que se paga por esconder quem se é!

O apresentador Gugu Liberato morreu em novembro do ano passado, mas sua vida continua sendo assunto. Depois que a mãe de seus filhos, a médica Rose Miriam Matteo, entrou com um processo de união estável com o apresentador (ela não foi lembrada em seu testamento), agora apareceu um namorado: o chef de cozinha Thiago Salvático, que diz ter provas de que mantinha um relacionamento com o apresentador e, por isso, entrou na justiça para o reconhecimento de união estável com Gugu.

Gugu morreu (pelo menos no papel) solteiro. E agora existem duas pessoas querendo provar que tinham um relacionamento com ele. Toda a história é triste. Afinal, são brigas de família e detalhes que a gente não precisava saber. Ninguém precisa saber, por exemplo, da vida sexual de alguém, por mais famosa que essa pessoa seja.

A mãe dos filhos de Gugu está errada? O suposto namorado está errado? Difícil julgar. Fato: ao ter a vida exposta dessa maneira, a família de Gugu parece pagar o preço pelo fato de o apresentador não ter assumido em vida as suas escolhas, sejam elas quais fossem. E o mesmo acontece não só com ele, mas com várias pessoas que tentam mostrar para a sociedade que têm uma vida certinha, daquelas de comerciais de margarina. Quem tem? .

Não estou julgando alguém que já morreu. Estou falando que uma sociedade preconceituosa faz com que muitas pessoas paguem o preço. Agora, com tantas brigas, parece que toda a família do apresentador passa por mais uma provação, além do luto. Não seria mais fácil se tudo fosse às claras e agora todos se confortassem, em vez de brigar nos tribunais? Se tudo for verdade, qual seria o problema? Um homem pode, sim, ter uma relação com um namorado e, ao mesmo tempo, uma ótima relação com a mãe dos seus filhos. Não tem nada de errado nisso. Conheço, por sinal, famílias assim. Em alguns casos, como em qualquer relação, a ex não se dá tão bem com o (a) atual. Mas isso também não é um problema gigante, acontece e dá para contornar poupando os filhos. Eu mesma tenho dois enteados. Não sou melhor amiga da mãe deles, mas nos respeitamos. Ah, sim,  meu caso é mais padrão porque sou hétero e meu marido tinha uma relação usual com a mãe dos filhos: se conheceram, foram morar juntos, se separaram.  No caso de Gugu, pelo jeito, ele e a mãe dos filhos tiveram uma grande ligação de amizade. Continuaram se vendo, passando festas juntos e viajando com os filhos. Ela, inclusive, estava com o apresentador na hora do acidente fatal. Se tinha sexo ou não? Não importa. Não é da nossa conta. Eles eram companheiros em cuidar dos filhos. Isso já é muita coisa.

E se Gugu, de fato, tinha um namorado, isso também não deveria ser problema nenhum. Seria o mesmo que acontece com tantas pessoas que têm filhos, se separam e casam de novo.  Mas o apresentador, pelo jeito, passou a vida se escondendo. Direito dele? Sim, claro. Mas isso não costuma dar certo, ainda mais para quem é famoso. E arrisco a dizer que ele provavelmente teria sido mais feliz se tivesse assumido suas escolhas.

No fim, Gugu, que nunca levantou bandeira de nada e nem se assumiu, pode acabar virando um exemplo de como se assumir é importante. Quem diria.

Nina Lemo – Universa