Governo apertará ainda mais a reforma para economizar custo

Os deputados da base aliada tomaram conhecimento, nas conversas reservadas com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que a reforma administrativa será mais profunda e amarga. A queda drástica da receita está impondo ao governo medidas impopulares. Uma delas é o afastamento de cerca de 1 mil funcionários, sem contar as demissões para enxugamento da máquina pública.

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Rinaldo Modesto (PSDB), disse que Azambuja ficou assustado com a queda abrupta do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), proveniente do gás natural boliviano. Com arrecadação de menos dinheiro do tributo do gás, tornou sem efeito o esforço do governador para reduzir o custeio de cerca de R$ 100 milhões por mês.

O governador teve, diante desse imprevisto, apertar o corte de gastos para equilibrar a receita e despesa com custeio. Uma das medidas será a redução do aluguel de 16 imóveis em 40 municípios. Os deputados, ainda, não têm noção da economia, porque a proposta da reforma está passando por ajustes.

Fonte: Correio do Estado/Por Adilson Trindade e Isabela Jornada