Exército descobre rede de fibra óptica e prevê atraso em obra na Bandeirantesc

Escavações para instalação de rede de drenagem resultaram na localização de cabeamento não mapeado

A descoberta de um cabo de fibra óptica durante escavações para as obras de interligação de drenagem no corredor sudoeste do transporte coletivo alteraram a execução do serviço em trecho da avenida Bandeirantes, atrasando em pelo menos 15 dias a liberação do tráfego na via. A informação é do CMO (Comando Militar do Oeste), responsável pelo empreendimento, que previa concluir o trecho até esta terça-feira (10). Agora, o tráfego na avenida ficará suspenso em uma faixa no trecho entre as ruas Itália e José Paes de Farias até dia 23.

A intervenção no local, realizada pelo 9º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército, teve início em 7 de abril, com escavações para implantação de drenagem profunda na rua José Paes de Farias. O objetivo da obra é interligar o ramal hidráulico da região com o da rua Brilhante, dando fim a alagamentos na região.

Durante os trabalhos, foi encontrado o cabo de fibra óptica pertencente à operadora Oi, que não constava no cadastro de trabalho do CMO. Após reunião entre engenheiros do Exército, técnicos da prefeitura e da empresa, decidiu-se pela necessidade de abertura de um novo poço de visita –uma estrutura de acesso às tubulações e fiações subterrâneas–, que deve ficar pronto em 15 dias.

Assim, decidiu-se pela liberação do tráfego em duas das fixas de circulação da avenida Bandeirantes, permitindo acesso ao comércio local. A circulação por vias alternativas, seguindo planejamento da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), envolverá as ruas Itália, Engenheiro Alírio de Matos e Alexandre Fleming.

O CMO confirmou que seguirá com as obras de drenagem na rua Hermenegildo Pereira, na Vila Bandeirantes, entre a Bandeirantes e a rua Brilhante, a fim de cumprir o cronograma. Assim que forem concluídos os serviços no local onde passa o cabo de fibra óptica, a rede de drenagem será finalizada, liberando o tráfego por completo na Bandeirantes.

Atrasos – A execução das obras no corredor sudoeste sofrem com atrasos desde sua retomada no início de 2017. Convênio com o Exército firmado ainda na gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (Progressistas), ativado pela gestão de Marquinhos Trad (PSD), previa o gasto de cerca de R$ 24 milhões no recapeamento das ruas Guia Lopes e Brilhante e das avenidas Marechal Deodoro e Bandeirantes, entre o trevo do Imbirussu e a avenida Afonso Pena, com implantação de rede de drenagem e sinalização.

Contudo, os serviços avançaram devagar, causando reclamações de empresários –que alegam prejuízos com a perda de clientes– e moradores. O CMO justificou o atraso com incongruências no mapa das redes de água e esgoto na região, fato contestado pela concessionária do serviço.

Diante da demora, o município decidiu licitar trechos do corredor que ainda não foram iniciados, reduzindo para cerca de R$ 5,7 milhões o valor a ser repassado ao Exército, para que termine as ações já iniciadas na Brilhante e no sistema de drenagem.

Fonte: Campo Grande News