Em nota oficial, Biosev confirma paralisação de atividades da Usina MR e diz que direcionará ativos biológicos para outras unidades de MS

 

Em nota oficial emitida na manhã desta quinta-feira (9/11), a alta cúpula da Biosev Bionergia, empresa que administra a Usina Maracaju, confirmou a paralisação das atividades industriais na unidade instalada na região da Água Fria. A decisão, segundo a nota, foi tomada em reunião do Conselho de Administração realizada ontem, em São Paulo.

A decisão do Conselho resultou na demissão de centenas de funcionários que atuavam no setor industrial da usina. Embora haja comentários de que seriam 600 demitidos, em telefona à empresa foi informado ao “Maracaju Hoje” que, na realidade, foram demitidos cerca de 500 trabalhadores, dos quais uma parcela significativa é da cidade de Nioaque, outra de Maracaju e uma parcela de trabalhadores oriundos de outros municípios e até dos estados do Nordeste.

NOTA OFICIAL – A nota oficial da Biosev tem o seguinte teor: “NOTA OFICIAL – BIOSEV S.A. companhia aberta com  sede na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 1.355, 11º andar, Pinheiros, inscrita no CNPJ/MF sob o número 15.527.906/0001-36 (“Companhia”) (B3 BSEV3), em cumprimento ao disposto no artigo 3 da Instrução CVM nº 358, conforme alterada, vem informar aos seus acionistas e ao mercado em geral a decisão de suspender a atividade industrial na Usina Maracaju, localizada no município do mesmo nome no Estado de Mato Grosso do Sul, a partir da presente data, conforme aprovado em reunião do Conselho Administrativo em 08 de novembro de 2017”.

“Esta decisão faz parte do programa da Companhia que visa reduzir seu custo de produção unitário de forma a trazer maior resiliência para a sua geração de caixa”.

“A Companhia esclarece que a suspensão da operação da unidade de Maracaju está restrita às atividades industriais, sendo que seu ativo biológico será redirecionado para outras unidades da Companhia localizadas no Estado de Mato Grosso do Sul que compõem o Polo MS (Rio Brilhante e Passa Tempo” o que otimizará a utilização da capacidade instalada de referidas usinas”.

“Como consequência desta decisão, a Companhia passará a alocar a cana de açúcar nas unidades com maior escala e capacidade de extração de açúcar e etanol (Rio Brilhante e Passa Tempo). Além disso, a Companhia potencialmente passará a ter benefício adicional de aumento de produção de energia, uma vez que as usinas de Rio Brilhante e de Passa Tempo têm capacidade de produção de energia para venda, não sendo esse o caso da usina da Maracaju – São Paulo, 09 de novembro de 2017”.