Donald Trump retira EUA do Acordo de Paris sobre o clima

Durante seu anúncio de que os EUA sairão do Acordo de Paris, Trump faz um gesto para se referir ao quanto ele acredita que a temperatura do planeta vai mudar, mesmo com altas emissões de gases estufa. O presidente americano não crê que o aquecimento global vá alterar o estilo de vida atual - KEVIN LAMARQUE / REUTERS

Presidente diz que vai começar novas negociações que sejam mais justas para o país

 

Henrique Gomes Batista / Com agências internacionais

WASHINGTON — O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a retirada do país do Acordo de Paris, que prevê uma série de esforços para impedir o aumento da temperatura do planeta em mais de 2 graus Celsius. O anúncio foi feito por volta das 16h30m desta quinta-feira. Funcionários da Casa Branca já haviam adiantado essa informação a vários setores da imprensa americana, e, antes mesmo do anúncio oficial, veículos como CNN e Associated Press já davam como certa a saída dos EUA na última quarta-feira.

— Vamos começar negociações para reentrar no Acordo de Paris ou numa nova transação que seja mais justa — disse Trump, na Casa Branca. — A partir de hoje, os Estados Unidos cessarão toda a implementação do Acordo de Paris e os encargos financeiros e econômicos draconianos que o acordo impõe ao nosso país.

Trump começou o evento enumerando o que afirmou serem resultados de seu governo, como a criação de “milhares de empregos” e o aumento de US$ 3,3 trilhões dos valores das empresas americanas em bolsas, além do fato de ter anunciado uma luta contra o terrorismo em em favor da paz mundial.

Segundo ele, com o pacto em vigor, até 2040 a produção de papel cairia 12%, a de ferro e aço cairia 38%, e carvão, 86%.

— Portanto, para cumprir o meu dever solene de proteger a América … os Estados Unidos se retirarão do acordo climático de Paris — disse Trump, que foi ovacionado nos jardins da Casa Branca. — O acordo na verdade é menos sobre o clima e mais sobre ganhar vantagem financeira [sobre os Estados Unidos].

Ele afirmou que isso é a prova de que cumprirá todas as suas promessas e que está defendendo os empregos e as empresas americanos. Repetindo a todo o momento seu slogan “Tornar os EUA grandes novamente”. Em seu discurso, ele praticamente só usou argumentos econômicos, sem falar de temas ambientais.

O presidente americano disse que não se importa se não for seguido por outros líderes mundiais:

— Fui eleito representante do povo de Pittsburgh, não de Paris — disse, recebendo aplausos.

Mike Pence, o vice-presidente americano, tentava passar um tom triunfal antes da fala de Trump. Após também enumerar diversos “feitos” de seu governo, ele disse:

— Os Estados Unidos voltaram!