Deputados rejeitam relatório contra Temer na CCJ da Câmara

Deputados governistas Beto Mansur, Baleia Rossi, José Rocha e Darcísio Perondi conferem a lista de votos na Comissão de Constituição e Justiça - é pe Coelho / Agência O Globo

Após intenso troca-troca, governo obteve 40 votos contrários à proposta de Zveiter; outros 25 deputados votaram pela aceitação da denúncia

 

 

Catarina Alencastro e Cristiane Jungblut

O Globo – 13/07/2017 – 18:04

BRASÍLIA — A Comissão de Constituição e Justiça rejeitou 40 por 25 votos o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) recomendando a aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer. Houve uma abstenção do presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). Esta foi a primeira vitória do governo, que promoveu a troca de 11 titulares da comissão. No total, 66 deputados votaram.

O troca-troca na comissão foi condenado pelo próprio presidente da CCJ, e pelo relator, ambos correligionários de Temer. Antes da votação, os líderes partidários orientaram os votos dos parlamentares. Zveiter disse que Temer buscava um resultado “artificial” e o acusou de “obstrução da Justiça”, por oferecer verbas e cargos em troca do arquivamento da investigação.

Advogado de defesa do presidente, Antônio Cláudio Mariz defendeu Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos DeputadosMariz acusa Janot de ter ânsia de poder e diz que atinge a todos: ‘Pau que mata Temer, mata Lula’

Com a rejeição do relatório de Zveiter, o presidente da CCJ indicou o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) como novo relator. Ele é autor de um dos votos em separado, recomendando a rejeição da denúncia. Esse novo parecer também vai a voto. Tudo isso acontecerá ainda na tarde desta quinta-feira.

Da bancada de sete membros do PSDB na CCJ, apenas Abi-Ackel e Elizeu Dionísio votaram a favor de Temer. Os outros cinco tucanos votaram contra o governo e pela aceitação da denúncia

Em uma fala bastante forte que antecedeu o início da votação, Zveiter chegou a dizer que o voto em separado contra a denúncia que já foi protocolado na comissão por membros de seu partido foi elaborado dentro do Palácio do Planalto. Depois, ele voltou atrás, pediu para retirar essa parte de seu discurso da ata, e disse que se tratava de força de expressão.

A denúncia ainda terá de ser votada pelo plenário, onde serão necessários pelo menos 342 votos (2/3 do total de 513) a favor da aceitação da peça acusatório para que ela seja submetida ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF).