Defensoria Pública entra com ação contra aglomerações nas agências da Caixa

Foto: Luiz Guilherme/Maracaju Hoje

O Brasil todo está acompanhando as enormes filas em frente às agências da CEF (Caixa Econômica Federal), por causa das pessoas que precisam solicitar o auxílio emergencial do Governo Federal, de R$ 600, mas também para dar entrada no Seguro-Desemprego.

Em Maracaju, como noticiado ontem (4/5), e hoje (5/5), a população está sendo obrigada a enfrenta fila e ficar aglomerada em busca de atendimento, já que os aplicativos do banco têm apresentado falhas.

Diante dessa situação, tendo em vista que entre as recomendações das autoridades sanitárias é evitar aglomeração por causa da Covid-19, nesta terça-feira, a DPU (Defensoria Pública da União), em Campo Grande, junto com a DPE (Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul), entraram com Ação Civil Pública solicitando que sejam adotadas medidas de segurança nas agências bancárias tanto na área interna quanto na parte externa.

A ação foi distribuída para a 1ª Vara Federal de Subseção Judiciária da capital, e consta na medida, um pedido de urgência contra essas aglomerações que diariamente vem ocorrendo.

As defensorias pedem em caráter de extrema urgência, que a Caixa providencie funcionários para a organização da fila de espera, em todas as suas agências.

Também consta na ação, a designação de funcionários para controle das filas e orientação dos consumidores, distribuição de fichas para evitar ou, ao menos, minimizar as aglomerações, marcações para garantir o distanciamento mínimo de um metro entre as pessoas, além do fornecimento de itens de higienização como álcool em gel 70% ou água e sabão.

É solicitado que feito a higienização frequente dos terminais de atendimento, maçanetas e outras superfícies que possam incorrer na transmissão da Covid-19.

Por fim, fica solicitado ainda que os idosos e demais pessoas que pertencem ao grupo de risco, sejam atendidos em horários específicos, tendo vias de acessos diferenciadas e terminais de atendimentos reservados dos demais usuários e clientes do banco.

Luiz Guilherme – Maracaju Hoje