Com chuvas em todo o Estado, máquinas devem invadir os campos para o plantio da soja

Engenheiro agrônomo Dirceu Luiz Broch _ Arquivo/MH

 

Jota Menon

“A chuva veio na hora certa, graças a Deus, e atingiu todos os municípios de Mato Grosso do Sul. Isto proporciona que os produtores rurais deem a imediata largada no processo de plantio da safra de soja 2017/2018”. A avaliação é do engenheiro agrônomo Dirceu Luiz Broch, da empresa de consultoria agropecuária MS Integração.

O engenheiro esclareceu que a precipitação pluviométrica foi muito boa, baixando a temperatura do solo e municiando o subsolo com umidade suficiente para que as sementes lançadas germinem com força e qualidade. “Eu acredito que ainda nesta quarta-feira {hoje, 4}, as máquinas sejam levadas ao campo para a largada da plantação” avaliou.

A partir de hoje essa cena vai ser comum nos campos de Maracaju _ Reprodução Internet

Dirceu comentou que toda área cultivada com o milho safrinha já está toda colhida e que, em Maracaju, devem ser plantados algo em torno de 270 mil hectares com a principal commodity brasileira. “Acreditamos que haja um pequeno acréscimo em relação à área cultivada no ano passado, pois, é normal que algumas pequenas áreas de pastagens e outras ocupadas com a cana-de-açúcar sejam incorporadas às áreas a serem com cultivadas com a soja” afirmou.

De acordo com dados de produtores rurais de Maracaju, a chuva da noite do último domingo, que chegou acompanhada de forte ventania, ultrapassou a casa dos 80 milímetros em todas as regiões do município, havendo áreas que a precipitação pluviométrica bateu na marca de 100 milímetros, quantidade de chuva suficiente para deixar o solo apto ao plantio pelos próximos dias.

Como há previsão de mais chuvas, ainda que esparsas, para todo o mês de outubro, os agricultores que fizerem opção pelo plantio de cultivares de ciclo mais longo deverão aproveitar a próxima semana para fazer o cultivo. Já aqueles que fazem opção por cultivares de ciclos mais curtos, podem esperar um pouco mais, até início da segunda quinzena deste mês, para semear a terra.

PREVISÕES PELO BRASIL – De acordo com o site Notícias Agrícolas, as chuvas devem continuar beneficiando áreas do cinturão produtivo do Brasil pelo menos até o dia de hoje, 4 de outubro. A previsão é do modelo Cosmo do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Chuva de granizo em território do Paraguai _ Reprodução das redes sociais

Os acumulados podem chegar até 50 milímetros em regiões de São Paulo, Goiás, Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Depois, as chuvas voltam a aparecer a partir do dia 15. Desde o fim da semana passada, praticamente todo o Brasil central vem recebendo precipitações mais volumosas que têm contribuído para o início do plantio da safra de grãos e amenizado as condições das lavouras de café.

Dorte vendaval derrubou árvore que caiu na porta de CEINF no Bairro Paraguai _ Fabrício Martins

Após dias sem chuvas em praticamente todos os estados produtores do país, o Inmet chegou a alertar perigo potencial de tempestades no fim de semana e queda de granizo no Nordeste Mato-Grossense, Norte Mato-Grossense, Centro Goiano, Leste Goiano, Norte Goiano, Noroeste Goiano, Sudeste Tocantinense, Sul Tocantinense, Oeste Tocantinense, Distrito Federal, Centro Goiano, Leste Goiano, Sul Goiano e Noroeste Goiano. Também foi gerado um alerta para o Planalto Norte Catarinense, Região Metropolitana de Curitiba, Oeste Catarinense, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis, Planalto Sul Catarinense, Litoral Sul Catarinense, Central Paranaense, Litoral Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sudoeste Paranaense, Sul Paranaense, Meio-Oeste Catarinense e Litoral Norte Catarinense.

Granizo em Doutor Camargo, no Paraná _ Ildefonso Ausec

Após essas chuvas mais volumosas em grande parte do cinturão produtivo do Brasil, o tempo deve voltar a ficar mais seco a partir de hoje no país, segundo o Instituto, mas por pouco tempo. “Os produtores têm uma notícia boa e uma ruim. As chuvas na primeira semana de outubro serão boas e em forma de pancadas. Mas a partir do dia 8 de outubro o tempo volta a ficar mais aberto. Uma nova frente fria deve voltar às áreas produtoras somente no dia 15”, afirma Manoel Rangel, meteorologista do Inmet. Esse período sem instabilidades no cinturão produtivo do país será de transição entre uma frente fria e outra. Rangel destaca que as tendências meteorológicas são mais suscetíveis a mudanças.