Coamo investe no papel da mulher no agronegócio

O objetivo deste programa é potencializar a participação feminina na atividade rural e evidenciar a importância da mulher no cooperativismo

A Coamo, Cooperativa Agroindustrial considerada a maior da América Latina, vem investindo em ações que fortalecem a participação da mulher no agronegócio. Exemplo disso, tem sido a realização de eventos online que debatem e fomentam a importância do papel da mulher na tomada de decisões nas propriedades, como auxiliadoras e um braço direito na gestão rural.
Com o tema: “Cooperadas como protagonistas do agronegócio”, a Coamo realiza neste dia (15), quarta-feira, às 19h (horário de Brasília), mais uma ação do programa Coamo + Mulher, uma palestra transmitida ao vivo pelo canal do Youtube da cooperativa, a fim de discutir o assunto, e valorizar a força da mulher no agro.
A palestra será ministrada pela especialista em commodities e idealizadora do grupo “Mulheres do Agronegócio Brasil”, página com mais de 17 mil seguidores, Andrea Cordeiro. Para ela, o papel atuante da mulher no agro tem sido essencial para consolidar as conquistas do agronegócio brasileiro. “Nosso protagonismo atuante, nossa voz e visibilidade permitem que outras tantas profissionais que ainda não despertaram para a importância de seus papéis, descubram seus potenciais. Somos exigentes, colaborativas, abertas as tecnologias”, ressaltou a palestrante.
Cooperativismo
O Assessor de Cooperativismo da Coamo, José Ricardo, explicou que a cooperativa segue o quinto princípio do Cooperativismo que é “Formar, educar e informar” o cooperado e seus familiares, para desenvolver ações personalizadas em todos os seguimentos, como este programa voltado para a valorização da mulher no agro. “A mulher em nossa programação possui um espaço exclusivo: Coamo + Mulher, que possui o objetivo principal de aproximar e integrar a mulher na cooperativa. Capacitá-la profissionalmente, a fim de ajudar na gestão da propriedade e nos negócios”, avalia.
Normalmente, avalia José Ricardo, a mulher demonstra uma capacidade única de competência e sucesso. “Assim, é normal que a sua cooperativa ajude neste processo de capacitação e prosperidade”, pontuou.
Como + Mulher em Maracaju
Uma das cooperadas na unidade da Coamo em Maracaju (MS), Keli Sabrina Chaparini Casarin, engenheira agrônoma e produtora rural, diz que quando retornou para Maracaju, veio com a missão de assumir a gestão da empresa agrícola da família, mas que na época era tudo muito diferente. As anotações eram feitas na caderneta, plantavam e colhiam, porém não se tinha um controle sob o lucro efetivo. E a chegada dela trouxe uma grande mudança na fazenda.
“Implantamos um sistema. Fazemos hoje um planejamento de variedades por talhões, fazemos os lançamentos de gastos por talhão, acompanhamos o controle de estoque e diesel. Mas para tudo isso funcionar foi muito difícil”, conta.
Keli lembra que os funcionários mais antigos foram um pouco resistentes à implantação deste novo sistema, não acreditavam que daria certo. Mas com o jeitinho feminino, com paciência e muito cuidado, ela foi ganhando a confiança e a colaboração de todos. A estratégia elaborada para os negócios da família foi dando bons resultados na propriedade.
“Começamos a ter reuniões para decidir coisas juntos, e hoje os funcionários se sentem parte do negócio, eles lutam pela produtividade como nós. Somos eficientes na produção agrícola e percebi que com o olhar feminino, conseguimos introduzir nas pessoas um espírito de empreendedorismo e de inovação. Me sinto orgulhosa e como uma líder do time”, revela Keli.
Para ela, a Coamo é uma cooperativa que “olha” para a mulher no campo, sempre trazendo informações, cursos, eventos online tão importantes como este, voltados para às demandas das mulheres. Uma forma de valorizarem a mulher cooperada e proporcionar segurança para seguirem em frente.