Cães do Corpo de Bombeiros de MS podem participar de resgate em qualquer lugar do mundo

Equipe dos Bombeiros

 

O Pastor Belga Duke, do 6º Grupamento dos Bombeiros de Campo Grande, e a labradora Retriever Cindy, do batalhão de Coxim, conquistaram durante a prova de Certificação Internacional de Cães de Resgate, realizada pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina em parceria com a Organização Internacional de Cães de Resgate (IRO), a Certificação Internacional de Cães de Resgate.

Com a certificação os cães estão aptos a realizar buscas em todo território nacional e em outros países comprovando, assim, capacidade operativa para o serviço. A prova foi realizada entre os dias 27 e 29 de abril no município de Xanxêre (SC), no Centro de Referências e Desastres Urbanos (CRDU),  sendo o maior evento de certificação internacional já realizado no Brasil.

Cães passaram por provas de busca, resgate, obediência e destreza.

Os binômios capitão bombeiro militar Fábio Pereira de Lima e o Pastor Belga Duke, e cabo bombeiro militar Luciclei Silva Lima, responsável pela labradora Retriever Cindy, passaram por provas de busca, resgate, obediência e destreza.

A prova envolveu cães dos Corpos de Bombeiros dos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Goiás e dos países da Colômbia e Uruguai, totalizando 26 bombeiros e cães, em busca da certificação  na modalidade busca rural.

Labradora Retriever Cindy e Pastor Belga Duke conquistaram certificação internacional de Cães de Resgate.

Para serem aprovados os dois cães da corporação tiveram que demonstrar aptidão ao realizarem buscas em vegetações, localizando duas vítimas em um tempo de até 15 minutos em uma área de vegetação fechada de 20 mil metros. Os cães também foram avaliados em provas de obediência e destreza, demonstrando o nível de adestramento que o cachorro tem com o bombeiro, o qual deve ter o controle do cão.

“O treinamento de um cão de resgate é bastante difícil, exige muito do bombeiro militar, pois para atingir o nível de qualificação técnica operativa deve-se treinar muitas vezes nas horas de folga”, explicou o capitão Fábio Pereira de Lima, que é coordenador do Serviço de Busca e Resgate com Cães e participante da prova de certificação.