André Puccinelli e seu filho obtêm habeas corpus e estão livres para se defender das acusações

Oficial de justiça chega com álvara de soltura de André Puccinelli e André Puccinelli Jr. - Foto: Midiamax

 

O desembargador federal Paulo Fontes, do TRF3 (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região, que fica em São Paulo, acatou o pedido de habeas corpus ingressado no início da tarde desta terça-feira (14) pelo advogado Antonio Mariz, criminalista nacionalmente reconhecido. Com isso, o ex-governador André Puccinelli e o filho serão soltos ainda nesta quarta-feira (15) e vão tentar provar, em liberdade, que não cometeram os crimes que lhes foram imputados pelo delator Ivanildo Miranda.

De acordo com o desembargador, em entrevista exclusiva ao Jornal Midiamax, de Campo Grande, as medidas foram tomadas porque, para o magistrado, não há a contemporaneidade vislumbrada pela Polícia Federal nos supostos recebimentos de propina, relatados pelo pecuarista Ivanildo Miranda na delação premiada.

“Os principais fatos datam de 2006 a 2013, ou seja, não há contemporaneidade. É mesma situação de maio, quando o ex-governador pediu habeas corpus para finalizar o uso da tornozeleira”, disse.

Entretanto, Fontes diz que Puccinelli e o filho devem comparecer em juízo, entregar os passaportes e estão proibidos de deixar o país.

O desembargador explicou que a prisão cautelar também foi entendida como desnecessária em maio pela 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande. “Também como em maio, a 5ª Turma ainda deve analisar, nos próximos dias, se mantém a liminar que eu concedi hoje”.

A liminar já foi encaminhada para Campo Grande e foi cumprida por volta do meio dia. No momento da edição desta matéria, André Puccinelli e seu filho estavam sendo libertados da prisão.